sexta-feira, 25 de agosto de 2017

O desenvolvimento está no dia a dia

06:16:00
O início deste mês foi bem particular, começamos como o lançamento de mais um empreendimento nosso, o Reserva Porto do Veiga em São Cristóvão/SE, e já no primeiro dia útil visitei duas obras onde desenvolvemos os projetos, e ainda ministrei uma aula sobre viabilidade econômica, juntamente com o professor Emerson Meireles de Carvalho na Universidade Federal de Sergipe, para os alunos do curso de engenharia. Os fatos parecem desconexos, mas estão diretamente ligados ao dia a dia do nosso mercado imobiliário em crescimento.

Fonte: Freepik
Apenas na primeira semana de maio, pude trilhar o caminho tradicional de qualquer empreendimento imobiliário. Junto aos alunos na Universidade Federal, tratamos das fases que precedem o desenvolvimento de um projeto, as interferências e variáveis na criação de uma viabilidade que represente um produto a ser desenvolvido. Discutimos condições de desenvolvimento de empreendimentos, como viabilizar projetos e qual o intuito na criação de viabilidades. Ficou claro como é de suma importância não apenas esse tipo de discussão, como também a necessidade da aproximação das práticas de mercado com o dia a dia acadêmico. Vários alunos curiosos com o campo de atuação, questionaram todo o nosso processo de desenvolvimento de nossas viabilidades e a relação com nosso projetos e produtos.

Já o Lançamento do Reserva Porto do Veiga, passamos pela segunda etapa de um empreendimento, a qual discutimos e trabalhamos excessivamente nos projetos, avaliando e desenvolvendo de maneira a atender as premissas estratégicas do empreendedor e as necessidades e limitações do mercado alvo. E qualquer produto imobiliário chega-se ao ápice do seu planejamento quando do seu lançamento. Ficou muito claro, enquanto os empreendedores apresentavam o empreendimento, que se os projetos não forem validados em todas as suas interfaces, seja nas soluções de infraestrutura, do partido urbano, das edificações em relação ao conceito empregado e das definições comerciais, será no lançamento o seu declínio ou uma evolução medíocre. Afirmo, pois, são os corretores e agentes imobiliários os primeiros compradores do produto, e se estes não se identificarem com o produto, será muito difícil sua evolução.

Relacionando a viabilidade com o lançamento do empreendimento, seria possível identificar que nem todo produto que é viável é comercializável. Ou seja, podemos fazer todas as etapas prioritárias no desenvolvimento de um projeto e uma viabilidade, mas se estes não estiverem alinhados com a expectativa do mercado ou produto, pode ter certeza que os riscos comerciais aumentariam consideravelmente.

Nas obras, iniciamos avaliando o que tínhamos feito quanto aos projetos já desenvolvidos e viabilizados. Além de verificarmos se tudo o que foi prometido ao cliente, no lançamento, está sendo executado em concordância. Fomos as obras para sanar dúvidas de projetos, validações de pequenos ajustes, verificações do que já foi executado, e além disso, levantar as lições aprendidas com a obra, para aprimorarmos em projetos futuros. Discussões em campo com engenheiros e técnicos é mais comum do que parece, e sempre terminam em definições que atendam o que foi prometido ao cliente.

Assim, em apenas uma semana, passamos pelas três principais etapas no desenvolvimento de um empreendimento, apesar de serem projetos e empresas distintas. Vivenciamos a discussões de viabilidade, passamos para o lançamento de um produto e chegamos no desenvolvimento e execução do projeto. É uma pena não termos um empreendimento sendo entregue nessa semana, porque aí, teríamos vislumbrado na prática todas as etapas macros de um empreendimento.

Autor:  Expedito Júnior
            Arquiteto e Urbanista
            Especialista em Gestão Urbana e Ambiental
            CAU - RN: A39243-0
           

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Tendência: mercado imobiliário passa por transformações

11:02:00
No dia 08 de maio de 2017 nosso diretor Expedito Júnior concedeu uma entrevista para o novo site da Comunicação Vip, uma agência que nasceu especialista em comunicação empresarial e marketing digital. E nessa postagem trazemos a entrevista e convidamos a todos para acessar na integra no site da Comunicação Vip.

Immobile Arquitetura


Estoque de produtos similares

O arquiteto Expedito Júnior, executivo da Nova Sergipe – Urbanismo para Negócios, analisa que a recessão não está diretamente ligada às condições de modelos de projetos e concepções, mas a toda conjuntura política e econômica do país.

Agora, já identificamos que os projetos e soluções que não seguem modelos tradicionais e previsíveis, vêm se destacando. Acredito que boa parte do estoque de apartamentos que temos em Sergipe está relacionado diretamente às mesmas tipologias de empreendimentos, ou seja, muita oferta de produtos iguais, sem diferenciais e em localidades semelhantes”, avalia.

Sob medida

Expedito conta que sua empresa já desenvolveu alguns produtos de nicho no mercado imobiliário. “Eles tiveram uma boa aceitação do mercado, sendo viabilizado completamente durante sua obra, como é o caso do Smart Residence, na Coroa do Meio e Alto das Águas, em Propriá. Quanto a novos produtos, não podemos expor por sigilo comercial, mas posso adiantar que alguns dos projetos desenvolvidos pelo nosso escritório, buscam atender público e demanda específica”, destaca.

O arquiteto comenta ainda que é comum o debate com as construtoras para encontrar as melhores soluções para identificar as demandas, anseios e tendências de cada mercado.

Immobile Arquitetura
Fonte: PRIMASA / IMMOBILE Arquitetura
"O nome já diz tudo. Em português, inteligente. O projeto desenvolvido pela Immobile Arquitetura Pensada teve como principal desafio e objetivo criar soluções inteligentes para quem busca morar perto da praia. Em construção pela Camel e Primasa, o projeto é versátil e oferece opções de planta, e uma excelente e diferenciada área de lazer na cobertura do prédio. 100% vendido em seu lançamento!"

Immobile Arquitetura
Fonte: Viva Construções


"Primeiro condomínio de casas em Propriá, fica próximo ao Rio São Francisco, com área de lazer completa, quadra, fitness, sala de jogos, salão de festa, espaço gourmet e piscina."

Associações

Números à parte, o segmento apresenta novas modalidades. Uma delas é o regime associativo. Segundo Expedito, o método associativo é uma formatação onde os aderentes ao grupo formado, assumem o desenvolvimento e construção do empreendimento. Em boa parte dos casos, este grupo é administrado por empresas gestoras ou profissionais.

O regime associativo não é uma novidade. Já é uma pratica do mercado faz bastante tempo, entretanto, nos últimos anos, vêm ganhando corpo em nossa cidade, e tornando-se uma opção de destaque no mercado imobiliário. Agora, não há uma condição específica de construtoras assumirem associações, mesmo que em nosso mercado algumas vêm assumindo esse papel”, analisa Expedito.

O arquiteto analisa ainda que nos últimos dois anos as ofertas de novos grupos e empreendimentos cresceram consideravelmente, denotando transformações. “É um bom sinal de que o mercado imobiliário tem se movimentado, apenas sendo necessário repensar nos papeis de todos os envolvidos. Temos espaço para as associações, onde os empreendimentos devem ser pagos em até sete anos, e espaço para as construtoras e incorporadoras, cujos empreendimentos podem ser financiados em até 35 anos”, detalha.

Tendência Home & Share

O conceito chegou ao Brasil recentemente, com um lançamento da Gafisa em São Paulo. Ele é baseado na economia compartilhada, na qual todas as partes ganham com a divisão. Exemplos bem sucedidos dessa modalidade são o aplicativo Uber e o AirBnb.

Os moradores do edifício paulistano terão 12 bicicletas disponíveis, três carros para locação por hora, uma piscina com bar, espaço gourmet, espaço co-working e um apartamento decorado para receber as visitas. Tudo isso sob responsabilidade do condomínio e disponível a todos os moradores.

Expedito Júnior acredita que vai demorar um pouco para Sergipe atender todo o conceito empregado. “Mas, em breve, acredito que alguns itens poderão ser compartilhados pelos moradores de determinados empreendimentos, como bicicletas e até apartamentos compartilhados, sem ser república”, explica.

De maneira geral, avalia Expedito, o mercado sergipano ainda tem muito a evoluir e apresentar ao seu consumidor novos produtos, soluções comerciais, inovações e integração com a própria cidade. “Sei que temos excelentes profissionais locais que, além de conhecimento técnico, atendem as demandas das construtoras mantendo as linhas culturais locais”, finaliza.

Sobe:   Expedito Júnior
            Arquiteto e Urbanista
            Especialista em Gestão Urbana e Ambiental
            CAU - RN: A39243-0
           

Fonte:










sábado, 4 de março de 2017

Incorporadores vislumbram um aumento da demanda

04:31:00
Os lançamentos de imóveis na planta aumentaram 9% – de 64 mil para 69,8 mil unidades – entre 2015 e 2016, segundo levantamento da Associação Brasileira das Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), que reúne as principais empresas do setor. Também cresceu o número de imóveis entregues, de 126,5 mil para 140,9 mil (+11,4%), indicando que, apesar do ambiente difícil para os negócios – uma grande construtora, a PDG, entrou com pedido de recuperação judicial para reestruturar dívidas de R$ 6,2 bilhões -, o segmento alimenta expectativas favoráveis.

retrovisor
Fonte: pixabay.com
Os sinais promissores ainda são tênues, mas indicativos de que a maioria dos produtores de habitação continua ativa e não olha para o retrovisor. Na hipótese mais benigna, é um indício de que a fase mais aguda da crise imobiliária vai ficando para trás, não obstante tenha deixado um saldo negativo para empresas, consumidores e credores. Por exemplo, as vendas de 103,2 mil imóveis em 2016 foram inferiores em 8% às de 112,2 mil unidades em 2015, mas a queda entre os meses de dezembro dos dois anos foi de apenas 0,2%. Isso já permite supor que o mercado começa a se estabilizar, em níveis baixos. Entre 2014 e 2015, a queda havia sido de 14,5%, de 131,3 mil para 112,2 mil unidades.

O fato mais relevante é o avanço dos lançamentos, pois entre a elaboração do projeto, a execução e a entrega da obra decorre longo prazo, em geral de três a cinco anos. Isso quer dizer que os incorporadores acreditam que a demanda voltará a crescer, provavelmente, entre o segundo semestre de 2017 e o início de 2018, em decorrência da retomada do ritmo da atividade econômica. Outro indicador positivo é a diminuição do número de distratos (desistência do negócio pelos compradores), com queda de 7,1% entre 2015 e 2016 e de 14,3% entre os meses de dezembro dos dois anos.

gráfico de barras
Fonte:freepik.com
Embora os sinais de melhora sejam tênues, a queda da inflação e dos juros torna os mercados de risco mais atrativos, como já se viu na reação recente do segmento acionário. Quando os estoques baixarem e for mais difícil encontrar o imóvel com as características desejadas, estará formado o ambiente propício à recuperação.

Matéria publicada originalmente no site adamydesenvolvimentoimobiliario

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Locação de imóveis é aquecida pelos universitários no início do ano

12:56:00
Jovem estudante sorrindo
Fonte: Designed by Nensuria - Freepik.com
O início de cada ano registra o aumento na procura de imóveis para aluguel na cidade de São Paulo. Isso se deve especialmente à busca de estudantes do interior paulista ou de outros estados que vão começar a estudar em universidades paulistanas e precisam de um lugar para morar ao longo dos próximos anos. Uma pesquisa realizada pela Lello Condomínios, aponta que a locação de imóveis para estudantes provoca um aumento de 30% a 35% do volume de contratos de aluguel fechados de janeiro até março.

De acordo com os dados, a maior parte dos estudantes vem do interior paulista, e as regiões preferidas são aquelas próximas a universidades, Bairros como Vila Buarque e Higienópolis, Centro e Liberdade, Vila Mariana e Vila Clementino, entre outras. Há também aumento da procura na região do ABC.

Os tipos de imóveis mais procurados normalmente são apartamentos de um ou dois dormitórios, situados próximo a estações de metrô e com bom estado de conservação. “Além da localização, imóveis mobiliados, por exemplo, favorecem de forma significativa na hora da escolha”, diz Roseli Hernandes, diretora de Locação da Lello.

Ela explica que as unidades com esse tipo de perfil, disponíveis para locação e situadas em regiões próximas às faculdades, costumam ser alugadas mais rapidamente nesta época do ano.

“O fechamento dos contratos de locação pode ser agilizado quando os pais dos estudantes concordam em ser fiadores e apresentam as condições necessárias para a aprovação da ficha. Mas outra modalidade muito utilizada é o seguro-fiança”, conclui Roseli.

Matéria publicada originalmente no site revista.zapimoveis.com

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

O que buscam os jovens compradores de imóveis

09:45:00
O que buscam os jovens compradores de imóveis
Fonte: Freepik
Esse comprador busca primeiro a localização. Ele quer morar principalmente perto do trabalho e com infraestrutura de transportes, comércio e serviços. Localização dos empreendimentos, lazer amplo e serviços são algumas das principais exigências de consumidores jovens. O produto deve ter alguns diferenciais, como pay per use, academia com personal, piscina e etc. A busca é por esta proposta de projeto.

Os apartamentos de um e dois dormitórios, com metragem de até 60 metros quadrados, são os preferidos para quem está iniciando a vida – jovens, casais ou casais com um filho. “Eles querem mesmo um imóvel que dê a eles facilidade e praticidade para o dia a dia.”

Seguindo a tendência de apartamentos compactos, os lançamentos para os próximos anos terão entre 29 m² e 57 m², com até dois dormitórios, e infraestrutura completa de lazer e serviços nas áreas comuns. Os jovens de até 35 anos têm potencial de compra, e o mercado deve se adequar à realidade deles, criando produtos que atendam suas necessidades.

A compra da casa própria ainda é o sonho da maioria dos brasileiros, mas hoje esse sonho torna-se realidade cada vez mais cedo. Consumidores com até 35 anos já representam 44,4% dos mutuários na Caixa Econômica Federal.

Matéria publicada originalmente no site Adamy Empreendimentos


segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Empreendimentos e suas entregas

10:04:00
Cortando a Fita
Fonte: Freepik
Tratei inúmeras vezes das fases que antecedem o lançamento imobiliário, as preocupações e prerrogativas a serem atendidas, os desejos dos incorporadores aliados aos conceitos dos produtos, e por aí vai. Entretanto, não lembro de ter abordado como um empreendimento imobiliário passa por inúmeras aprovações até sua plenitude, quando finalmente há a entrega das obras aos clientes. Ressalto como é mágica essa fase e como traz inúmeras emoções aos seus compradores. É a conclusão de um processo de médio prazo sonhado e idealizado por todos da família, uma aventura de desejos, cálculos financeiros, idealizações e definições.

Como completamos seis anos agora em março, e consequentemente, nesse tempo deu-se início a entrega de empreendimentos que desenvolvemos em nossos primeiros passos como escritório de arquitetura, passei a enxergar por uma outra ótica a entrega do empreendimento. Antes, como funcionário de construtora, entreguei alguns empreendimentos e senti a sensação de dever cumprido por um trabalho realizado, já que naquele momento não fui responsável pelos projetos. Só que agora, passamos a identificar de forma mais forte e clara a vivência do cliente final, do comprador. Como arquiteto, e atuando quase que em nossa totalidade, no desenvolvimento de projetos para o mercado imobiliário, assumimos a preocupação de idealizar o produto, desenvolvê-lo atendendo as boas práticas da arquitetura, à legislação, ao mercado, e acima de tudo, à satisfação do usuário final. E justamente, essa satisfação do usuário final só pode ser identificada com a entrega dos empreendimentos que projetamos.

Fazendo mudança de casa
Fonte: Freepik
Afirmo sem medo, que quando iniciei o escritório, projetávamos para que o produto atendesse aos anseios das construtoras, das vendas e dos sonhos dos clientes, mas não tinha noção de como o produto passará por sua maior aprovação, quando iniciada sua vivência e seu uso, ou seja, a partir da sua entrega. Ainda este ano, continuaremos acompanhando a entrega de alguns empreendimentos projetados por nosso escritório, e tentaremos absorver não apenas as lições aprendidas com a obra, como buscaremos a identificação dos sentimentos desses clientes relacionado aos nossos projetos. Sempre seguimos a máxima de projetar idealizando tudo, mas sempre teremos um morador ou usuário pensando e/ou agindo diferente.

Muito em breve, haverá a entrega do Versatto Jardins, construído e incorporado pela Via Célere. E também, do condomínio horizontal, Costa Paradiso Club Residenciale, incorporado pelo grupo Polypromotion do Brasil. Mesmo sabendo que os dois empreendimentos são completamente diferentes em composição e localização, um sendo prédio localizado no bairro Jardins, e o outro, sendo um condomínio de casas na Barra dos Coqueiros, passará uma história em nossas cabeças quanto a todas etapas desenvolvidas até o momento. E buscaremos obter informações se as áreas de lazer atenderam o desejado pelo cliente, se a guarita e a sua segurança funciona a contento, se a piscina ficou confortável para o uso, se o projeto permitiu o convívio entre os moradores, dentre outros pontos a serem analisados. Claramente, levaremos para a prática tudo o que foi idealizado na concepção. E a prática, nem sempre será da forma como concebemos. Os dois empreendimentos em questão foram muito bem aceitos pelo mercado, com vendas acima de 80% das unidades totais e com previsão de venda do restante até suas entregas. E justamente pela boa aceitação do produto, será possível ver e relacionar na prática se o produto foi vendido por seus atrativos de projeto, sua localização, seu preço, ou todo o conjunto. Não esquecendo de avaliar e validar a construção, seu acabamento e qualidade.

Festa
Fonte: Freepik
Como etapa final para o produto imobiliário, normalmente culminando com festejos para construtores e clientes, a entrega do empreendimento realmente é uma satisfação generalizada. Aquela idealização em um terreno, passar a ser, literalmente, a edificação do sonho, do desejo, da necessidade. O produto imobiliário passa a vivenciar a cidade, e a cidade passa a integrá-lo à sua vivência. Completa-se um ciclo.

Autor:  Expedito Júnior
            Arquiteto e Urbanista
            Especialista em Gestão Urbana e Ambiental
            CAU - RN: A39243-0
           


sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Falece o arquiteto italiano Leonardo Benevolo

11:52:00
Em 05 de Janeiro de 2017, faleceu aos 93 anos de idade o arquiteto Leonardo Benevolo.

Leonardo Benevolo (Fotogramma)
Leonardo Benevolo foi uma das figuras mais representativas de toda a história da arquitetura italiana (sobretudo da história da crítica e planejamento urbano), um profissional sempre atento aos problemas e possíveis novos horizontes da cidade.

Benevolo estudou arquitetura na Universidade de Roma, onde se graduou em 1946. Ensinou história da arquitetura no Ateneo, e depois nas Universidades de Florença, Veneza e Palermo. Seus escritos (principalmente o livro História da Arquitetura Moderna, publicado nos anos 60) foram disseminados e traduzidos para muitos idiomas, rendendo ao arquiteto fama internacional a ponto de ser reconhecido hoje em dia como um dos historiadores mais ilustres da arquitetura e urbanismo.

História da Arquitetura Moderna de Leonardo Benévolo é parte de uma etapa essencial da aprendizagem de qualquer estudante de arquitetura e uma referência indispensável para qualquer arquiteto. Continua a ser a melhor biografia dos dois últimos séculos de arquitetura e seu contexto histórico e social.

O arquiteto estudou a evolução dos vários movimentos e tendências, abordando não apenas os trabalhos e projetos mais emblemáticos, mas também a influência que a arquitetura exerceu no desenvolvimento da tecnologia e da indústria, o aparecimento de movimentos de vanguarda, as mudanças e transformações socioeconômicas e políticas. Benevolo se tornaria, ao lado de Giulio Carlo Argan, Bruno Zevi e Manfredo Tafuri, uma das personalidades italianas mais influentes em relação à arquitetura moderna. Além de ser autor de livros, como As fontes modernas urbanas (1995), A arquitetura do novo milênio (2006) e da longa entrevista intitulada O fim da cidade, de 2011.

Além da atividade educacional, Leonardo Benevolo desenvolveu uma atividade profissional intensa, o que o levou a projetar e construir a nova sede da Feira de Bolonha, o masterplan de Ascoli Piceno, o plano do centro histórico de Bolonha e o plano regulatório de Monza (1993-1997), entre outros. Em Brescia, a cidade onde escolheu viver, tinha um escritório onde trabalhava com os seus filhos Alessandro e Luigi.

Benevolo nasceu em Orta San Giulio (na província de Novara) em 25 de setembro de 1923. Estava doente há algum tempo e faleceu em sua residência em Cellatica (Brescia).

Matéria publicada originalmente no site archdaily.com


quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Premiados do concurso público nacional – Edifícios de Uso Misto em Santa Maria – CODHAB-DF

07:35:00
Em outubro de 2016 foi realizada a abertura do concurso Público nacional de projetos de arquitetura e complementares para edifícios de uso misto, na região de santa maria no DF, que visava selecionar um projeto para construção no terreno de 1.200 m². Conforme especificado em edital.

As propostas foram avaliadas por uma comissão julgadora e deveriam seguir os critérios, de valorização da acessibilidade e dos espaços públicos, soluções de conforto térmico e eficiência energética, viabilidade técnico-construtiva, economia e eficiência na manutenção, aspectos plásticos e estéticos entre outros.

E em ato público realizado no dia 08 de dezembro de 2016, na Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (CODHAB), em Brasília/DF, e na presença da Coordenação do Concurso, foram anunciados os resultados do Concurso premiando e fazendo menção aos seguintes projetos:

Primeiro lugar:

Participantes: Naiene Cardoso, Naiara Menezes, Luisa Zacche, Camila Paris.

Vila Velha / ES

Premiação C/contratação: R$ 306.980,28 (trezentos e seis mil, novecentos e oitenta reais e vinte e oito centavos).

Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF


Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF


Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF





Segundo lugar:

Participantes: Matheus Marques Rodrigues Alves.

São Paulo / SP

Premiação: R$ 15.000,00 (quinze mil reais).

Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF


Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF


Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF







Terceiro lugar:

Participantes: Alexandre Luiz Gonçalves.

Belo Horizonte / MG

Premiação: R$ 15.000,00 (quinze mil reais).

Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF


Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF


Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF







Parabéns aos ganhadores, pelas ótimas propostas. Assim como em outros concursos tivemos menções horrorosas, vejam quais foram:

Menção honrosa:


Participantes: Lucas Valli, Leandro Michelena Moreno, Nicole Almeida, Leandro Almeida.

Porto Alegre / RS

Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF


Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF


Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF






Menção honrosa:


Participantes: Matheus Ribeiro Assunção Vieira Mendes, Danilo Gomes e Fontes, João Augusto Pereira Júnior, Ana Laterza.

Brasília / DF

Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF


Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF


Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF






Menção honrosa:


Participantes: Marcos Paulo Roque, Isabella Brito, Huber Teixeira, Felipe Sandri.

Goiânia / GO

Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF


Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF


Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF





Menção honrosa:


Participantes: Gabriela Maluf.

Curitiba / PR

Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF


Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF


Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF





Menção honrosa:


Participantes: Gérman Biglia , Elisa Relva Baso, Jimmy Liendo Terán, Fernando Diaz Soler.

São Paulo / SP

Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF


Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF


Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF





Menção honrosa:


Participantes: Ingrid Schmaedecke, Rodolfo Luís Scuiciato, Simone R. N. Born , Aline Proença Train, Karin Luciana Klassen, Suzanna de Geus, Luciano Suski, Igor Costa Spanger, Fábio Domingos Batista, Moacir Zancopé Junior.

Curitiba / PR

Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF


Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF


Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF
Premiados – Edifícios de Uso Misto – Santa Maria – CODHAB-DF











Para todos os participantes, nosso parabéns, foram sem duvidas ótimos trabalhos.

Fonte: Portal Codhab 


Sobre a

IMMOBILEArquitetura

Ela foi idealizada em 2008 pelo arquiteto e urbanista Expedito Junior, com o objetivo de criar e implementar projetos de alta performance e profundidade técnica, executados para atingir os melhores índices de rentabilidade de acordo com a individualidade de cada empreendimento e negócio. Constituída por uma equipe de profissionais que possuem diferentes visões de mercado, procuramos manter um relacionamento estreito com os investidores, construtores e principalmente possibilitando a maior eficiência e agilidade nos processos de criação, regularização e entrega.




Assine a nossa newsletter para receber as últimas notícias do blog diretamente em seu E-mail. Fique tranquilo, também não gostamos de SPAM

Você também pode gostar