[Arquitetura][carousel][5]

quarta-feira, 16 de novembro de 2022

Gentilezas urbanas, qualidade de vida e o papel da iniciativa privada

07:05:00

Mecanismos para melhorar a qualidade de vida nas cidades: das grandes intervenções públicas às pequenas e fundamentais responsabilidades da iniciativa privada

O crescimento exponencial das cidades ao redor do mundo tem imposto novas complexidades para a promoção de qualidade de vida para seus moradores. O tema já é largamente debatido, e inúmeras soluções são propostas e aplicadas, porém o caminho ainda parece desafiador. Quando pensamos nas cidades brasileiras então, a questão se torna ainda mais preocupante.

Já é consenso que o objetivo finalístico das cidades e de seus empreendimentos deva ser a qualidade de vida das pessoas, ainda que a definição deste conceito possa ser bastante incerta e condicionada ao comportamento e cultura de cada local. A tropicalização e regionalização das medidas no âmbito urbano e imobiliário para o alcance deste objetivo são, portanto, imprescindíveis. Neste contexto, surgem pequenas intervenções e ações locais capazes de ganhos relevantes para suas populações, as chamadas ‘gentilezas urbanas’.

Imagem: Parklet no Bairro do Butantã, São Paulo – Site Prefeitura de São Paulo/Divulgação

Gentileza Urbana é uma responsabilidade compartilhada
Termo de autoria incerta, mas comumente atribuído a José Datrino (1917 – 1996), o Profeta Gentileza, ‘gentileza urbana’ corresponde, segundo o IAB (Instituto dos Arquitetos do Brasil), a iniciativas que favorecem o urbanismo e o paisagismo público, implantadas por empresas e empreendedores, ou seja, pela iniciativa privada.


Imagem: Pilastra do Viaduto do Gasômetro – Prefeitura do Rio de Janeiro/Divulgação

Ainda que o papel do poder público contemple a complexa atribuição de gerir e ordenar o espaço urbano, também comporta ações e implantações de elementos que promovam maior qualidade de vida a seus cidadãos.

Este papel tem sido bastante presente em iniciativas de vanguarda no planejamento urbano ao redor do mundo, desde os espaços público projetados pelo arquiteto Jan Gehl em Copenhagen, chegando a projetos ambiciosos, como a Paris de 15 minutos e as superquadras de Barcelona. Nestes projetos ocorrem intervenções de impacto urbano, mas que também apresentam soluções singelas e pouco custosas que podem ser adaptadas e replicadas por empreendedores imobiliários e outros agentes da iniciativa privada.



Grandes ou pequenos detalhes importam
No Brasil, tais exemplos já podem ser vistos em alguns lugares. Projetos imobiliários de grande porte, como o desenvolvimento de bairros planejados, tem sido pensados e desenvolvidos com um olhar muito mais cuidadoso, alinhado com conceitos modernos do Novo Urbanismo.

A Cidade Pedra Branca, por exemplo, um dos precursores deste novo modelo de urbanização em solo brasileiro, oferece calçadas largas, mobiliário urbano funcional e atraente, ruas acalmadas, conexão dos espaços privados com o espaço público. Diversos outros projetos de destaque também disponibilizam soluções nesta linha.


No entanto, o dia a dia das pessoas também pode ser impactado por pequenos detalhes, pequenas intervenções como já visto anteriormente. O zoom local passa a ter uma representatividade similar na promoção da qualidade de vida, e é aqui que os empreendimentos imobiliários aparecem, independentemente de seu porte.


Até mesmo na rua da minha casa pode-se notar um pequeno cuidado que os empreendimentos podem ter no desenvolvimento de seus projetos. As duas imagens abaixo ilustram as calçadas dos dois lados da rua: de um lado, uma calçada estreita que obriga o pedestre a competir pelo espaço com postes e lixeiras; do outro, ainda que a calçada em si possua largura similar, o jardim oferecido pelo condomínio residencial (construído em 1978!) permite melhor distribuição do espaço, promovendo uma percepção de amplitude e proximidade com o verde.


Imagens: (1) Rua com calçadas antagônicas; (2) Compartilhamento de livros; Integração de espaços privados com espaços públicos: (3) parklet – Leandro Begara/Divulgação

 

Empreendedor, é hora de agir
Fica muito claro que a responsabilidade de promover uma cidade mais humana, mais agradável e gentil deve ser atribuída a todos os entes públicos e privados. Os empreendedores imobiliários, como agentes fundamentais na construção das cidades, devem assumir sua parcela e pensar seus projetos também como um legado, com grande apelo mercadológico e chamariz comercial.

Para tanto, conte com a Urban Systems para avaliar os desejos do público local e oferecer pequenas gentilezas urbanas que agregarão enorme valor a seus projetos.


O ‘Profeta Gentileza’ recebeu esta alcunha por suas iniciativas de espalhar intervenções, mensagens positivas e críticas sociais nas pilastras do Viaduto do Gasômetro, no Rio de Janeiro.


Fonte: Blog | Novembro 2022

segunda-feira, 31 de outubro de 2022

Mercado imobiliário aposta na busca por experiências da geração Z

12:47:00
Os nascidos no final dos anos 90 estão chegando ao mercado imobiliário com um conceito de moradia distinto do de seus pais. Acostumados a compartilhar suas vidas nas redes sociais, a chamada Geração Z consome experiências.

"As áreas de convivência têm muito peso para eles, é tudo muito social. E há uma fronteira muito menor entre o pessoal e o profissional", afirma André Kovari, sócio da Vita Urbana.
 
Apartamentos compactos, bem localizados e com ampla oferta de serviços que trazem praticidade ao dia a dia são o foco desses consumidores que prezam o tempo livre.

"É a infraestrutura da porta do apartamento para fora que conquista esse cliente", diz Cyro Naufel, diretor de atendimento da imobiliária Lopes.

A demanda básica na hora de alugar ou comprar um imóvel é por academia, espaços de convivência, de coworking, ambiente ao ar livre, lavanderia e bicicletário.

"Essa forma de compartilhar serviços insere as pessoas e barateia o condomínio. O nosso objetivo é moradia a custo zero, com as parcerias cobrindo todos os gastos do condomínio. E temos uma fila de empresas querendo ser integradas", afirma Alexandre Lafer Frankel, CEO da Housi, plataforma digital.

A fotógrafa Nádia Reis, 28 anos, vive há cerca de dois anos em um apartamento de moradia flexível e usa as áreas comuns também em seus ensaios.

"Fotografo muitos clientes aqui, porque é bem estético. E a praticidade de alugar pelo tempo que eu quiser e sem fiador faz toda a diferença", diz.

"O apartamento já é completo, não precisei comprar nada, e tenho tudo no prédio: mercado, adega, serviço de faxina que peço pelo app. E todo dia conheço alguém novo no elevador, é o melhor networking", afirma Nádia.
Investir na compra de um imóvel não é o foco inicial dessa geração, que está no início da carreira profissional. "Os imóveis ficaram menores, mas mais caros", diz Felipe Santos, da aMora.

"É o público de primeiro imóvel, que faz o que o bolso permite. A opção pelo aluguel é a principal", afirma Leonardo Azevedo, fundador do Apê 11.

Nascidos conectados à internet, esses jovens recorrem à tecnologia desde a busca pelo imóvel ao delivery de refeição, supermercado e farmácia.

Quase 60% dos consumidores nessa faixa etária buscam o imóvel pelo site Apê 11, segundo pesquisa feita com dados do Google Analitics a pedido da Folha.

"Mais da metade do nosso público está dentro dessa geração e mostra muita habilidade para conhecer o apartamento e apresentar propostas de forma digital", diz Azevedo.

Recém-chegado no mercado, o aplicativo Ublink permite visitar virtualmente um apartamento "como quem caça Pokemón", diz Rogério Santos, um dos fundadores.

"Se preferir, no próprio aplicativo pode pedir uma visita presencial. O cliente também pode apresentar oferta online ao proprietário do imóvel e ser informado da chance de a proposta ser aceita", afirma Santos.

Andressa Gulin, CEO da incorporadora AG7, afirma que esses jovens buscam mais independência e flexibilidade na hora de escolher onde morar. "Muitos novos modelos de negócios de menor custo e maior flexibilidade como locações, residências a service, cosharing e coliving têm um apelo atrativo para a realidade deles", afirma.

"Mas uma coisa é um fato: as pessoas entenderam a importância de escolher um lugar para morar e estão dispostas a investir mais nisso em busca de qualidade de vida, bem-estar e saúde física e mental", diz a executiva.

"O jovem busca facilidade, ele entende que um imóvel grande significa mais trabalho, seja para mobiliar, seja para limpar. Este jovem não possui tanto tempo livre e não dispõe de um funcionário para manter o seu lar. A busca ou se faz por um imóvel menor ou vemos os jovens dividindo apartamento, focados em uso total do imóvel e em valorização do tempo livre", diz a arquiteta Gabriela Accorsi, do site La Decora.

Para os especialistas, ao contrário da geração dos pais, que buscava um lugar definitivo para morar, acreditando em uma única compra de imóvel durante a vida, a geração atual se importa mais com o que tem próximo à residência e cumpra sua rotina e com áreas comuns que atendam aos seus hábitos.

"Eles querem uma academia boa e confortável, não ligam para uma cozinha super equipada. Estão atentos ao design do prédio, à automação, de olho no moderno e no ‘instagramável’, sem precisar criar raízes", afirma José Roberto Leite, sócio da incorporadora Next Realty.

Conforto para essa geração é uma mistura de facilidade e senso de pertencimento no local escolhido, segundo a executiva da AG7. "Tem os que gostam de viver no centro porque buscam por diversidade, outros querem viver em um lugar mais antigo, pois buscam nostalgia", afirma.

Apostando nessa necessidade de pertencimento, a Vita Urbana decorou um de seus imóveis no centro da capital ao estilo Santa Ceciliers. "Compramos todos os objetos do decorado na região de Santa Cecília, decoramos com plantas e até incluímos almofada em formato de gato para que, quando fossem visitar o empreendimento, esses jovens já se sintam em casa", conta Kovari. 

"São os consumidores do momento. Diversos setores estão prestando atenção a eles e no mercado imobiliário não poderia se diferente", afirma Naufel.

PREFERÊNCIAS DA GERAÇÃO Z AO ESCOLHER IMÓVEIS

Confira levantamento feito pela plataforma Apto com clientes nascidos entre 1998 e 2004
  • Com 60% do público, o sexo feminino prevalece como os usuários que mais acessam o Apto em busca de imóveis novos em 2022
  • Empreendimentos prontos para morar são a preferência de 37%
  • Imóveis de médio padrão estão entre os mais requisitados, com 50% das buscas
  • Entre os maiores atrativos estão: ampla área de lazer, bicicletário, pet places, financiamento pelo Casa Verde e Amarela, coworking e wi-fi em áreas comuns
  • Sobre a localização, a preferência é por imóveis perto de hospital, faculdade, metrô/trem, shopping e com comércio de rua.
 
Fonte: Uol | Outubro 2022

sexta-feira, 21 de outubro de 2022

Mercado imobiliário: bancos apostam em crédito digital

05:26:00
A contratação de crédito imobiliário está passando por uma simplificação que promete acabar com a burocracia, papelada e a demora. Algumas instituições financeiras já estão fechando contratos de forma totalmente digital, sem que o cliente tenha de ir à agência bancária ou ao cartório para assinar.
O Bradesco já ultrapassou a marca de 500 contratos o que representa cerca de R$ 150 milhões de financiamentos firmados de forma digital, sem o cliente precisar sair de casa. O projeto começou no mês de maio, em São Paulo e, em junho, foi estendido para o restante do país. O processo reúne assinaturas digitais e integra o sistema de cartórios do país. Assim, todos os envolvidos conseguem acompanhar e assinar o contrato virtualmente, sem a necessidade de comparecer aos pontos físicos de atendimento.

O movimento é acompanhado por outros bancos, e a tendência é de que a prática seja uma realidade ampla no mercado até o fim de 2023, estimou o presidente da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), José Rocha Neto. "Pode escrever. Até o final do próximo ano, quase todos os agentes financeiros já deverão estar com integração aos cartórios, ao menos em São Paulo", afirmou, em debate no Summit Imobiliário, realizado na semana passada pelo Estadão em parceria com o Secovi-SP.

Segundo Rocha, o avanço será significativo, uma vez que o estado representa algo próximo de 40% da contratação de financiamentos no Brasil. Esta é a segunda onda de digitalização da contratação de crédito imobiliário. A primeira foi acelerada pela chegada da pandemia, quando bancos passaram a oferecer opções para cotação, simulação e aprovação do crédito por canais digitais, bem como o envio dos documentos iniciais.

O diretor de crédito imobiliário do Santander, Sandro Gamba, também presente no evento, disse que a modernização ajudará a derrubar o tempo de contratação dos empréstimos para até uma semana. "Anos atrás era coisa de 60 a 90 dias. Hoje já evoluiu, está dentro de um mês. Com essa nova evolução será algo de dias, até coisa de uma semana se estiver com toda a documentação em ordem", projetou o executivo.

"Com o registro eletrônico, estamos falando em uma mudança de patamar para o negócio. Nós sabemos que o financiamento é uma etapa demandante para todos os agentes da cadeia. Com esse avanço que todos os bancos estão fazendo, será uma mudança relevante na forma como se contrata", acrescentou Gamba.

Já a vice-presidente de habitação da Caixa Econômica Federal, Henriete Bernabé, afirmou que o banco estatal já está trabalhando nesse processo e espera um avanço robusto a partir do começo do ano que vem. Até lá deve ser implantado o Sistema Eletrônico dos Registros Públicos (Serp), que vai unificar sistemas de cartórios em todo o País e permitir registros e consultas pela internet - conforme definido pela Lei 14.382/22, sancionada em junho. A medida promete ainda mais segurança e transparência aos registros eletrônicos.

"Em janeiro entra em vigor a legislação para os cartórios, com a centralização dos dados. Estamos apostando que a partir de janeiro teremos uma evolução grande rumo a uma contratação 100% digital tanto para construtoras quanto para pessoas físicas", disse Bernabé.

A Caixa já conta com canais digitais para simulação e cotação, bem como para tramitação de documentos. Mas a conclusão do processo ainda depende de uma visita do cliente a uma agência bancária. "Hoje, o que pega é o momento da assinatura do contrato que vem antes do registro do contrato. Essa ponta ainda não está redonda", comentou a vice-presidente.
 
Fonte: O Dia | Outubro 2022

sexta-feira, 14 de outubro de 2022

Mês do Idoso - Como Viver Melhor Depois dos 60 anos

08:07:00

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) alerta para a importância do cuidado com a saúde mental do idoso. Entre as iniciativas de prevenção, está o desenvolvimento de programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças (Promoprev).


Atualmente, há 1170 programas de Promoprev, sendo 618 programas aprovados pela ANS e 552 informados à ANS. Dos aprovados, 464 são direcionados para a saúde do adulto e do idoso, o equivalente a 75% das iniciativas. Dos programas informados à ANS, 112 são específicos para os idosos.

O mês de outubro começa com o Dia Internacional do Idoso (1º). A data foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1991, e reforça os termos da Resolução 46 dos Princípios das Nações Unidas para o Idoso. O objetivo é sensibilizar a sociedade mundial para as questões do envelhecimento, além de destacar a necessidade de proteção e cuidados com essa população.

Mais de 2 milhões de brasileiros vivem com alguma forma de demência

O psiquiatra Alisson Marques explica que o processo de envelhecimento inclui diversas mudanças. Muitas vezes o idoso já se aposentou, então ele perde uma funcionalidade, aquilo que às vezes deu sentido à vida dele por muito tempo. Com os filhos já crescidos, também não tem mais aquela demanda de quando eram pequenos.

“Do ponto de vista biológico, ele já tem uma velocidade de processamento com maior dificuldade, às vezes uma menor resistência e menor força. Aí ele começa a perceber esse processo, o rol de amigos dele já está reduzido, muitas vezes um irmão já se foi e lidar com a proximidade da finitude, da morte em si às vezes um cônjuge, o marido ou a esposa também já foram. Então é um processo muito difícil, muito delicado que deve ser conduzido da maneira mais saudável possível”.

O psiquiatra dá dicas de como evitar que os idosos se sintam sozinhos e acabem desenvolvendo doenças como a depressão:

  • Inserir o idoso em atividades sociais;
  • Estimular a participação em atividades físicas, como por exemplo, a caminhada;
  • Caso tenha alguma religião, incentivar a frequentar os encontros dos grupos.


Lia Nesser é assessora de comunicação da Associação São Joaquim, que atende pessoas idosas. Ela destaca a importância da conscientização dos cuidados com essa faixa da população. 


“Todos nós queremos completar o ciclo de vida inteiro, chegar à velhice, conseguir ressignificar a experiência de vida e continuar contribuindo com a sociedade numa troca de cuidados”.

 

Outubro 2022 | Fonte: Brasil 61

segunda-feira, 19 de setembro de 2022

A nova tendência na construção civil Rooftop

06:38:00

Uma nova tendência nos empreendimentos são os modelos de arquitetura internacionais, e um desses modelos é o Rooftop, visto cada vez mais no Brasil, tanto em edifícios comerciais, como residenciais. A palavra “Rooftop” vem do inglês e sua tradução é “telhado”. Isso quer dizer que o rooftop nada mais é do que um terraço feito de maneira sofisticada e inteligente com o objetivo de enaltecer uma vida mais completa, saudável e interessante para quem mora ali.

Esse modelo se destaca nos imóveis residenciais, sendo a opção perfeita para quem busca um momento ao ar livre, uma vista privilegiada e conforto, sem abrir mão de morar na cidade. O que é mais bacana no Rooftop é que vai muito além de um simples terraço, se tornou um espaço de convivência, área de lazer e pode contemplar ambientes como academia, salão de festas e até piscina com borda infinita, sendo as possibilidades ilimitadas e essa vista é acessível a todos os moradores e seus convidados.

Esse cenário propícia o ambiente perfeito para desfrutar momentos únicos, dá para se imaginar descansando após um dia agitado, contemplando a vista e o ar livre, talvez com uma taça de vinho ou livro.


 

O rooftop chegou para trazer tudo isso de maneira ainda mais completa.

O rooftop vem ganhando destaque nos principais centros urbanos brasileiros. Aliás, você consegue encontrar esses espaços indo à bares e restaurantes famosos em São Paulo, assim como em Curitiba.

Mas, agora você também pode morar num lugar com essa característica, em vez de apenas frequentá-lo algumas vezes. Isso quer dizer que os edifícios residenciais estão incorporando o rooftop em seus projetos, especialmente quando os apartamentos são de alto padrão. 


Vantagens de morar num edifício com rooftop

Um dos principais atrativos e diferenciais do rooftop é a vista que o espaço apresenta. Mas, claro, vai muito além disso. O local é também uma área social no topo de prédios que oferecem outras opções de lazer e diversas vantagens.

  •  Privacidade

Quem não quer ter um espaço privado e que seja capaz de oferecer comodidade e lazer ao mesmo tempo? Por isso, os espaços de convivência localizados em terraços são uma boa opção para quem deseja privacidade e momentos de descontração com piscinas, academias, entre outros.

Sendo assim, você pode ter mais tranquilidade para aproveitar os momentos de lazer sem que todos estejam olhando, como é o caso das áreas que se localizam no térreo de prédios. Com o rooftop você tem total liberdade e privacidade para curtir bons momentos ao lado da família e amigos sem que haja outras pessoas transitando no espaço.

Em outras palavras: o acesso de condôminos e pessoas que estão no prédio apenas de passagem é mais difícil, já que o local fica no último andar do prédio. Assim, oferece mais privacidade aos convidados.


  • Tranquilidade

Com a privacidade, o conceito rooftop oferece também tranquilidade. Se você vive em grandes cidades, provavelmente sente falta de momentos de descontração, mas com calmaria, como por exemplo, se desligando de ruídos comuns.

Quando se está no alto de um terraço, você consequentemente fica distante de toda a agitação e barulho de buzinas e sons. Além disso, você fica menos exposto a barulhos de outras áreas presentes no próprio condomínio, como salão de festas, quadra de esportes e brinquedoteca etc. 


  • Qualidade de vida

Como pudemos observar, o rooftop oferece muito mais do que somente praticidade, a qualidade de vida também está totalmente presente no conceito. Isso por conta do lazer que o espaço ao ar livre oferece. Estar ao livre e em contato com a natureza tem efeitos positivos para a saúde física e emocional. Assim, o rooftop garante mais qualidade de vida para os moradores, já que está num espaço com muita luz e ventilação natural.

Outro atrativo é a qualidade de vida, um belo exemplo disso são as academias no Rooftop, que a cada novo empreendimento são mais modernas e equipadas, o que estimula a prática de exercícios físicos, algo que transforma a usabilidade da área de lazer, por deixar mais próximo e prático, sem precisar se deslocar até uma academia fora do condomínio.


  • Vista privilegiada

Às vezes, tudo o que a gente precisa para acalmar a mente é um momento sozinho, em silêncio, longe de todo o turbilhão. Sabemos que os moradores de andares mais altos sempre contaram com o privilégio de uma vista única. Porém, agora com os espaços coletivos no terraço, qualquer morador pode usufruir de belas imagens proporcionadas pela cidade. Você pode ver o nascer ou o pôr do sol no rooftop.

Por isso, mesmo que você more em andares mais baixos, com o novo conceito de terraço sofisticado, pode-se utilizar a área para criar uma rotina de vida mais equilibrada e saudável. Ou seja, você pode-se usá-lo por alguns minutos ou horas do seu dia para ler um livro, ouvir música, meditar ou simplesmente contemplar o nascer ou pôr-do-sol poderá ter acesso às melhores vistas da cidade em que reside.

  • Lazer de alto nível

O rooftop de lazer é projetado para promover o máximo em conforto e funcionalidade para os moradores. Além disso, é um espaço bastante requintado em termos de paisagismo e conta com decoração de alto padrão. Nesse sentido, podem ter lounge gourmet, cozinha equipada, piscina e até spa. O projeto de design de interiores privilegia o “estar ao ar livre”. Assim, privilegia os elementos da natureza, especialmente a madeira em móveis e objetos.


  • Projetos personalizados

Rooftop nos trouxe o conceito de lazer de alto nível que se aplica com total sofisticação e muita criatividade. Eles são projetados com o objetivo de aproveitar da melhor forma o espaço, oferecendo conforto e funcionalidade.

Além disso, sempre com a premissa básica de garantir o convívio harmônico e a integração de todos os condôminos. Toda a elegância do paisagismo é aproveitada, trazendo um pouco de verde para um espaço que antes era totalmente de concreto.

Sendo assim, se trata de uma ótima opção para quem busca um refúgio da agitação comum presente na rotina diária das grandes metrópoles.


Agora que você já sabe da importância do conceito, chegou o momento de buscar por empreendimentos que te ofereçam um rooftop qualificado e que seja capaz de suprir suas necessidades. Como é o caso dos empreendimentos assinados pela Immobile Arquitetura com o Smart Residence e Grand Smart e outros que virão.

Fontes: Swell Construções, Tarjab e Brio Office | Setembro 2022

Sobre a

IMMOBILE Arquitetura

Ela foi idealizada em 2008 pelo arquiteto e urbanista Expedito Junior, com o objetivo de criar e implementar projetos de alta performance e profundidade técnica, executados para atingir os melhores índices de rentabilidade de acordo com a individualidade de cada empreendimento e negócio. Constituída por uma equipe de profissionais que possuem diferentes visões de mercado, procuramos manter um relacionamento estreito com os investidores, construtores e principalmente possibilitando a maior eficiência e agilidade nos processos de criação, regularização e entrega.




Assine Nosso Feed

Assine a nossa newsletter para receber as últimas notícias do blog diretamente em seu E-mail. Fique tranquilo, também não gostamos de SPAM

Você também pode gostar