segunda-feira, 1 de março de 2021

China vai criar cidade sem carro a partir de projeto de arquitetos holandeses

Carro virou um estorvo nas cidades que estão preocupadas com o futuro. Nova York, Paris, Londres, Barcelona, Berlim todas essas metrópoles estão desenvolvendo políticas para tirar carros poluidores das ruas e devolver o espaço para o pedestre. Não é uma tarefa fácil mesmo para cidades que têm algumas das melhores redes do mundo de transporte público. Fechar ruas para o trânsito, proibir carros a gasolina depois de 2030, cobrar pedágio urbano, criar ciclovias, adotar políticas em que tudo o que você precisa está a 15 minutos de caminhada são ferramentas poderosas, mas parecem brincadeira de criança diante de um projeto chinês que simplesmente suprime o automóvel numa ilha em Chengdu, a capital da província de Sichuan, conhecida por abrigar as reservas de pandas gigantes no sudoeste da China. 
O projeto da cidade sem carro em Chengdu foi vencido por um dos mais famosos escritórios de arquitetura do mundo, o holandês OMA (iniciais de Office for Metropolitan Architecture). O nome mais famoso do OMA é o do arquiteto e urbanista Rem Koolhas, professor de Harvard e um dos mais influentes pensadores da arquitetura do final do século 20 e início do 21. Koolhas é ambicioso: diz que não se interessa por forma (o gozo da arquitetura modernista); prefere interferir na sociedade. Assinou projetos tão diversos como a sede da TV estatal chinesa em Pequim, a CCTV, e a loja da Prada no SoHo, em Nova York.

A área que o OMA vai fazer a cidade sem carro tem 4,6 quilômetros quadrados, o equivalente a 400 hectares ou 370 campos de futebol. É um espaço de ciência e alta tecnologia. Lá serão construídos 6 conjuntos de prédios para as seguintes funções: universidade, moradia, laboratórios, mercado, espaço público e prédios governamentais. Como se trata de uma área relativamente pequena para os padrões chineses, não é uma divisão similar à de Brasília, com áreas reservadas para moradia, comércio, diversão e embaixadas. Tudo está a 10 minutos de distância, a pé. Quem preferir pode usar bondes elétricos. A população planejada é de 22.000 habitantes, mas a área deve receber diariamente 90.000 pessoas.

A nova cidade deve ficar pronta em 2023, ao custo de US$ 1 bilhão, aproximadamente, uma pechincha para os padrões ocidentais. Todos os recursos são públicos na primeira fase do projeto.

A intenção do OMA é enterrar o urbanismo modernista, do qual Brasília talvez seja o melhor exemplo por privilegiar o carro e praticamente ignorar espaços para caminhadas que não sejam esportivas. Não haverá grandes avenidas. Apenas caminhos para pedestre ou ruas para transporte público automatizado, com veículos sem motorista. “Com esse projeto, esperamos fornecer uma alternativa para o típico plano diretor baseado na tradicional rede de avenidas orientadas para o carro”, disse um dos parceiros do OMA no projeto, o arquiteto holandês Chris van Duijin, após o anúncio do projeto vencedor, no último dia 2.

Como não há grandes avenidas, o foco do projeto é na geografia do terreno. O projeto vencedor preserva morros, como acontecia com a arquitetura tradicional chinesa dessa região, com seus palácios e casas construídos em tabuleiros nas encostas e se confundindo com a natureza. Não há nostalgia para os grides de ruas quadriculados. “Esperamos que a conexão entre arquitetura e paisagem resulte numa dinâmica ambiental para a educação que inspire ideias inovadoras”, afirma Van Duijin.

A aposta da China em confrontar o Ocidente com arquitetura e urbanismo de alto nível começou com as Olimpíadas de Pequim, em 2008. Dois dos prédios construídos para os Jogos Olímpicos estavam entre os mais inovadores do mundo, segundo o crítico de arquitetura da revista New Yorker, Paul Goldberger. São o Estádio Nacional, conhecido como Ninho de Pássaro, um projeto dos suíços Jacques Herzog e Pierre de Meuron junto com o artista plástico Ai Wei Wei, e o Centro Nacional de Esportes Náuticos, similar a um cubo d’água, criado pelo escritório australiano PTW Architects.

O Politiburo chinês, os 8 dirigentes do Partido Comunista que dirige o país, percebeu que arquitetura era uma das linguagens que mudariam a imagem da China. De miseráveis passaram a ser vistos como vanguardistas. Todos os grandes arquitetos famosos do Ocidente e do Japão têm obras de grande porte na China.

Chengdu era conhecida como a terra dos pandas gigantes, mas agora ficou famosa também por tentar uma espécie de Disneylândia da arquitetura contemporânea. Lá será construída a primeira linha de metrô totalmente automatizada, projeto do escritório J&A Sepanta Design, uma junção de um escritório chinês (J&A) com um inglês (Sepanta). A reserva dos pandas está sendo recriada pelo estúdio Sasaki, que tem estúdios em Boston, Denver e Shangai. A cidade tem uma das maiores áreas construídas do mundo no shopping New Century Global Centre, inaugurado em 2013. O prédio tem 500 metros de profundidade, 400 de largura e 100 de altura, tudo em vidro e concreto. Isso tudo resulta numa construção de 1,7 milhão de metros quadrados, na qual caberiam 20 óperas iguais à de Sydney, na Austrália. O resultado é assustador. No link a seguir, é possível fazer um passeio pelo prédio: Let’s Go For A Walk Inside the Largest Building in the World.

Todos esses projetos têm embutido uma operação de marketing da nova China, é claro. Ditaduras adoram usar arquitetura para parecerem simpáticas ao mundo. No caso da cidade sem carro de Chengdu, tudo indica que há inovação além da velha propaganda. 


Fonte: Poder 360 | Março 2021

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sobre a

IMMOBILE Arquitetura

Ela foi idealizada em 2008 pelo arquiteto e urbanista Expedito Junior, com o objetivo de criar e implementar projetos de alta performance e profundidade técnica, executados para atingir os melhores índices de rentabilidade de acordo com a individualidade de cada empreendimento e negócio. Constituída por uma equipe de profissionais que possuem diferentes visões de mercado, procuramos manter um relacionamento estreito com os investidores, construtores e principalmente possibilitando a maior eficiência e agilidade nos processos de criação, regularização e entrega.




Assine a nossa newsletter para receber as últimas notícias do blog diretamente em seu E-mail. Fique tranquilo, também não gostamos de SPAM

Você também pode gostar