terça-feira, 24 de julho de 2018

Biblioteca do Parque Villa-Lobos, em SP, concorre a prêmio internacional de melhor instituição pública de 2018

07:28:00

Espaço na Zona oeste de São Paulo é finalista de concurso junto com concorrentes da Noruega, Holanda, EUA e Cingapura.


Foto: Flickr

Todas as semanas, crianças muito pequenas mexem em livros da Biblioteca Parque Villa-Lobos. Muitas dobram as capas, colocam as páginas na boca. Por todos os lados, livros permanecem soltos pelo espaço. A descrição parece a de um equipamento em ruínas, mas, na verdade, é a de uma instituição que concorre a um prêmio internacional de melhor biblioteca pública de 2018.

A Biblioteca Parque Villa-Lobos, na Zona Oeste, é uma das cinco finalistas do prêmio internacional concedido pela IFLA (International Federation of Library Associations, ou Federação Internacional de Associações e Instituições Bibliotecárias), instituição parceira da Unesco que reúne 1.4000 membros em 140 países.

A candidata brasileira concorre com espaços da Noruega, Holanda, EUA e Cingapura. Na premiação de 2018, a IFLA recebeu 35 candidaturas de 19 países diferentes.

“Essa biblioteca, a centralidade dela está nas pessoas, na comunidade que a cerca”, explica Pierre André Ruprecht, diretor-executivo da SP Leituras, órgão do estado de São Paulo que administra o local.

“Nessa biblioteca você vai encontrar livros, mas também vai encontrar muito computador, uma programação muito variada, incluindo até uma oficina de smartphone para idosos”, exemplifica Ruprecht.

“O conceito que está por trás [do local] é que uma biblioteca pública é um local de construção autônoma do conhecimento.”

Foto: Flickr

Um dos eventos semanais, descrito no início deste texto, tem como objetivo colocar crianças a partir de 6 meses de idade em contato com os livros. A ideia é que, desde pequenas, elas se acostumem à presença do objeto. O espaço também é usado para conversas com autores e até aulas de yoga.

Espaço livre

Um dos princípios da biblioteca é ter o mínimo possível de regras para os usuários. A entrada é livre. Não é necessária carteirinha para quem quiser ler os livros no local. O acervo fica quase todo à mostra, em prateleiras abertas. Apenas uma sala do prédio mantém a exigência de que os frequentadores façam silêncio.

“Não existe livro escondido que você tem que falar com alguém pra pedir. Aqui você mete a mão no que você quiser”, afirma o diretor da SP Leituras.

Outra questão, levantada por Ruprecht, é o diálogo com os frequentadores, que podem opinar nas aquisições de materiais.

Foto: Flickr

“Hoje, um terço do que a gente compra é sugestão dos frequentadores da biblioteca. E eu falo de todos os materiais [CDs, DVDs], não só os livros.”

Ruprecht explica também que a biblioteca é uma extensão do Parque Villa-Lobos, que a rodeia. “Esse parque tem um raio de atração muito grande, que se expande aos finais de semana. Vem gente da Zona Sul, vem gente de Osasco, Franco da Rocha etc. E o público básico que vem aqui são famílias”, diz. Por isso o espaço oferece outras opções de atividades além da leitura.

“A primeira das adaptações que a gente fez [no projeto original do edifício] foi criar um café que fizesse o prédio da biblioteca conversar com o parque”, afirma.

“O fato de a biblioteca estar num parque é maravilhoso. Você se aproxima de pessoas que normalmente não iriam procurar uma biblioteca. Por isso também que a gente tem uma oca na entrada. A pessoa entra e diz: aqui eu posso entrar e não fazer nada, posso até me deitar. É legal deitar e olhar para o teto que você pode ver os quero-queros que fazem ninho aqui em cima.”

Acessibilidade

Quem aproveita o barulho dos quero-queros é o massoterapeuta Jorge Arakelian, 62, que frequenta a biblioteca desde 2015, nos primeiros meses de funcionamento. Deficiente visual há anos, por causa de uma doença degenerativa, ele tem acesso a todos os livros do acervo por meio de um aparelho que “lê” as páginas e as transforma automaticamente em audiolivros.

“Eu venho aqui, escaneio o livro e os transformo em áudio. Com a ajuda da equipe da biblioteca, eu gravo tudo num pen drive e vou ouvindo no meu dia a dia”, diz Arakelian. “Tudo o que eu leio aqui é ligado ao espiritismo e à espiritualidade. É algo que me acompanha desde quando eu perdi a visão”, afirma.

Além de audiolivros e livros falados (obras que têm as falas interpretadas por atores), o acervo também conta com livros em braile e outros equipamentos de acessibilidade - incluindo um virador automático de páginas, alocado em uma mesa especial.

Para Arakelian, os recursos da biblioteca dão uma nova oportunidade de usar um espaço que ele utilizava desde a adolescência: “Aqui, antes de ser um parque, uma parte do terreno era usada pra depositar entulho. Em outra parte, tinha uns campos que a gente usava pra jogar futebol”.

Foto: Flickr


Critérios

A acessibilidade, a relação com a comunidade e com o entorno são alguns dos critérios de avaliação das bibliotecas pela IFLA. Saiba como a instituição vai definir o vencedor:

1. Interação com o entorno e a cultura local, ou seja, se a biblioteca funciona como uma “sala de estar” para a comunidade, conectando diferentes grupos de interesse.

2. Qualidade arquitetônica; como o projeto do espaço interfere em sua função.

3. Flexibilidade; quais outras atividades a biblioteca comporta.

4. Sustentabilidade, ou seja, quais os esforços para que os recursos sejam usados de forma eficiente.

5. Espaço de aprendizado; se a biblioteca oferece diferentes oportunidades de ensino, no sentido mais amplo - incluindo o contato entre gerações.

6. Digitalização; como a tecnologia é usada de maneira inovadora para enriquecer a experiência dos frequentadores.

O vencedor será revelado na reunião anual da IFLA em 28 de agosto, numa cerimônia em Kuala Lumpur, na Malásia.


quarta-feira, 18 de julho de 2018

Imóveis planejados para idosos reduzem cerca de 40% os acidentes domésticos

10:16:00
Foto: FreePick

A última estimativa populacional do Brasil, realizada no ano passado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontou que o número de pessoas acima de 60 anos subiu cerca de 50%. O percentual representa um crescimento de mais de 8,5 milhões de pessoas nesta faixa etária. Ante esse aumento, surgem as adaptações em casas e apartamentos ou até mesmo a construção de condomínios para atender a terceira idade.

Estudos da Universidade de São Paulo (USP) concluíram que construir moradias preparadas para receber e dar o conforto necessário aos idosos reduz cerca de 40% dos acidentes domésticos. Dados do Ministério da Saúde mostram ainda que 70% dos acidentes envolvendo pessoas acima de 60 anos acontecem dentro das residências.

Na Bahia, os condomínios residenciais mais voltados às necessidades da terceira idade ainda não se espalharam. “O mercado imobiliário local ainda não identificou uma demanda suficiente para justificar a construção desse tipo de empreendimento”, explica Carlos Henrique Passos, presidente do Sindicato da Construção da Bahia (Sinduscon-BA).

Para ele, o surgimento de novos condomínios com essas características pode crescer com o passar dos anos, atrelado ao crescimento da população idosa. “Com a projeção de amadurecimento da população, a tendência é que, no futuro, surjam mais empreendimentos com essas características não só na Bahia, mas em todo o Brasil”, completa.

Ainda de acordo com Passos, a faixa 1 do programa Minha Casa, Minha Vida, reservada para famílias cujas rendas mensais estejam entre zero e três salários mínimos, já possui 100% dos imóveis adaptáveis e 3% já adaptados para idosos e pessoas com deficiência.

O Condomínio Residencial Botticelli, localizado na Pituba, é o único em Salvador e em todo o estado destinado a atender, em sua maioria, o público da terceira idade. Inaugurado em 2003, o empreendimento tem sala para atendimento médico, fisioterapia, além de pisos antiderrapantes nas dependências. “Por ser o único em Salvador com essa finalidade e recursos, a procura pelas unidades é alta”, explica Ricardo Souza, administrador do condomínio.

Dentro dos apartamentos, os interruptores e tomadas de energia elétrica estão instaladas em altura média e próximos aos móveis. Os banheiros são equipados com barras de ferro.

Os cuidados se estendem também às áreas de lazer. Para prevenir maiores esforços, corrimões foram colocados nas rampas de acesso à piscina, que, inclusive, conta com barras de apoio para hidromassagem e hidroginástica.

Foto: Flickr

Para Cláudio Cunha, presidente da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário da Bahia (Ademi-BA), futuros lançamentos deverão levar em conta as necessidades comportamentais da terceira idade, inclusive nos momentos de lazer. “Os espaços de convivência e lazer precisarão também ter essas adaptações para que os idosos possam receber parentes e amigos de todas as idades”, avalia.

Projetos acessíveis


Mesmo com a baixa quantidade de condomínios pensados para idosos, adaptações estruturais podem ser feitas em casas e apartamentos que, inicialmente, não foram projetados para atender a essa faixa etária.

Uma das medidas é a implantação de barras de apoio e de pisos antiderrapantes, segundo a arquiteta Fernanda Lima. ”As barras podem ser instaladas em locais que exigem mais esforços, como o banheiro e até mesmo nos corredores das casas ou apartamentos. Os pisos diferenciados são importante para prevenir quedas”, aconselha.

Fernanda acrescenta que os cuidados também podem valer para os móveis. “Camas, estantes e mesas sem quinas diminuem o risco de eventuais acidentes”, completa.

O arquiteto Flávio Moura recomenda a abertura de vãos maiores nas portas, essenciais para casos em que os idosos necessitem utilizar equipamentos de acessibilidade, como cadeira de rodas.

“O espaço maior nas portas facilita a entrada e a saída de pessoas nessas condições”, ressalta.


Sobre a

IMMOBILEArquitetura

Ela foi idealizada em 2008 pelo arquiteto e urbanista Expedito Junior, com o objetivo de criar e implementar projetos de alta performance e profundidade técnica, executados para atingir os melhores índices de rentabilidade de acordo com a individualidade de cada empreendimento e negócio. Constituída por uma equipe de profissionais que possuem diferentes visões de mercado, procuramos manter um relacionamento estreito com os investidores, construtores e principalmente possibilitando a maior eficiência e agilidade nos processos de criação, regularização e entrega.




Assine a nossa newsletter para receber as últimas notícias do blog diretamente em seu E-mail. Fique tranquilo, também não gostamos de SPAM

Você também pode gostar